18.6.09

minha paixão por livros


Vou declarar todo o meu amor pelos livros, aqueles que nunca me abandonarão, aqueles que em qualquer momento em que eu esteja vivendo me confortarão de alguma forma. Seja por palavras, pensamentos, sonhos ou imagens.
Ler é mais uma questão de hábito, não se impõe, é tudo muito natural. Dizem que ler não significa apenas identificar símbolos ou palavras, mas sim interpretar o que se lê.
Não li livros suficientes em minha vida, pois garanto, ainda terão muitos para eu ler, é uma leitura eterna. Se você leu mais livros do que as pessoas a sua volta não te fará superior nem mais inteligente do que elas. Você pode ter lido 10 a mais do que a pessoa ao seu lado, mas se você leu apenas por ler, mas não entendeu o real significado daquilo, então esses 10 livros a mais não significou nada. O que importa não é quantidade, mas sim qualidade.
Leonardo Boff, diz:
"cada um lê com os olhos que tem. E interpreta onde os pés pisam. Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Para entender o que alguém lê, é necessário saber como são seus olhos e qual é a sua visão de mundo. Isto faz da leitura sempre um releitura. [...] Sendo assim, fica evidente que cada leitor é co-autor." Ou seja, a minha visão de determinado livro será diferente da sua, do Márcio, da Claudia, de fulano, de ciclano, enfim, cada um interpretará e visualizará o conteúdo lido de um jeito. A minha opinião não mudará por você dizer que a visão do livro que eu tenho está errada. Não existe o certo e o errado. Existe o meu e o seu, a minha visão e a sua.
Portanto, leia o que você quiser. Não falo especificamente de livros, mas qualquer coisa. Quando eu era pequena e estava aprendendo a ler, eu saía de casa, eu lia tudo que eu via, desde placas de restaurantes, outdoors, frases de caminhão, tudo pela minha frente. Era um vício, um hábito estranho, mas muito meu, e que dura até os dias de hoje. Talvez por esse hábito eu sempre gostei de ler.
E o seu tipo de leitura não dirá quem você é e nem mostrará o quanto o seu Q.I é desenvolvido. Gostar de Machado de Assis, por exemplo, não indica isso. Eu posso gostar de Machado de Assis, mas quando eu abro a boca não mostro nenhuma educação, nível cultural elevado ou o escambal que eu quero mostrar a outros.
Assim como religião, política, mulher e futebol, leitura também não se discute. Não há críticas, eu leio o que eu quero e ponto final.
Um livro fala, sente, mostra, contem inúmeras informações, histórias e sensações, que serão percebidas de formas diferentes em tempos diferentes.
"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história."[Bill Gates]
É, o gênio Gates sabe das coisas!
Portanto geração high-tech leiam, aprimorem seus conhecimentos, se atualizem. A internet é apenas um apoio, facilita em tudo, não se prendam somente nela. Os papéis ainda são importantes, afinal, existem livros escritos há mais de 1000 anos, mas que ainda são vitais para hoje.

2 comentários:

  1. realmente..nada como ler...

    ResponderExcluir
  2. Com a leitura desenvolvemos nossa memória, lógica, criatividade...

    ResponderExcluir

Que sua leitura tenha sido agradável! Se quiser se expressar, as portas estão abertas. Comentários respondidos nos blogs de origem.