14.2.12

sobre perdas

Acho mesmo que deveríamos nos alegrar com o que temos.Esse negócio de ter medo de perder algo não está com nada. Principalmente quando esse algo não é palpável, não é abraçável, nem beijável. Ele é simplesmente intocável. Porque ele não é seu, não é de outrem, nem de ninguém. Mas um dia será. E esse será é um futuro que não é subjuntivo e é mais do que imperfeito.Isso me faz lembrar que tenho que pular os dois degraus quebrados da escada lá de casa. Sempre tenho aquela fisgada na perna. Não pode ser a idade, já fiz até exames, deve ser pelo esforço.Ás vezes penso em usar a outra entrada, mas já entra tanta gente por ela que vou acabar acostumando e nunca vou consertar a escada. Pra mim, já virou um exercício: dois pulos grandes todos os dias. Outra coisa que tenho que fazer: parar de adiar as coisas. Se é uma visita, adio o dia. Se é uma consulta, altero a data.Vou parar logo de adiar essa dor e esse medo.Afinal se eu tenho tudo e perco aqui, eu ganho acolá. Mas e se eu não perder nada? Porque o medo de perder o que  não tem é isso, no ínício dá aquela fisgada na perna.Mas depois que isso vira um fato, dói o corpo inteiro. E como dói.

E vocês quando vierem visitar minha casa, podem usar a outra entrada se quiser.Mas indico o exercício- dois grandes pulos no dia te trazem uma dorzinha leve, mas te deixam com mais vigor para os outros dias.

Outro exercício que indico:agarrem as certezas de hoje, talvez, quem sabe... elas te carregarão amanhã.


ps: boas vindas aos novos seguidores

2 comentários:

  1. É isso aí! Temos que aprender a valorizar o que temos, nossa vida, nossos valores. Que energia gostosa tem aqui!

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida, volte aqui mais vezes.

      Excluir

Que sua leitura tenha sido agradável! Se quiser se expressar, as portas estão abertas. Comentários respondidos nos blogs de origem.